Abusos a menores mergulharam a Igreja Católica britânica em uma crise de autoridade moral


A Grã-Bretanha é um país oficialmente cristão, com 6 milhões de católicos - menos de 10% da população, dos quais só um quinto vão à missa.

Sexo, dinheiro e dogma constituem um coquetel muito perigoso para qualquer figura pública, seja um político, um jogador de futebol ou um eclesiástico. Mas são a combinação que Bento 16 enfrenta na primeira viagem de um papa à Inglaterra e Escócia desde João Paulo 2º em 1982: o escândalo dos abusos a menores, o custo da visita e a intolerância ao aborto, à camisinha e à mulher sacerdote.

A Grã-Bretanha que recebe amanhã o papa é um país oficialmente cristão, com 6 milhões de católicos - menos de 10% da população, dos quais só um quinto vão à missa e a maioria é muito mais liberal que a doutrina da Igreja. Um país onde duas em cada três pessoas se definem como "não religiosas", em um exemplo do que Bento 16 e seus cardeais qualificam de "relativismo moral" e consideram uma das grandes pragas das sociedades ocidentais contemporâneas.

LEIA COMPLETO AQUI
Abusos a menores mergulharam a Igreja Católica britânica em uma crise de autoridade moral Abusos a menores mergulharam a Igreja Católica britânica em uma crise de autoridade moral Reviewed by Samuel Rodrigues on 09:28 Rating: 5
Postar um comentário
Tecnologia do Blogger.