Últimas publicações

Irã cogita suspensão de apedrejamento de mulher presa por adultério

jan. 2, 2011 0 comments

Chefe da Justiça do Azerbaidjão leste disse que existem algumas ambiguidades no caso

A pena de morte por apedrejamento da iraniana Sakineh Mohammadi-Ashtiani, condenada por adultério, poderia ser anulada, disse este domingo (2) um alto representante da Justiça iraniana, citado pela agência Fars.

Ao ser perguntado se o apedrejamento de Sakineh Mohammadi-Ashtiani podia ser anulada, Malek Ajdar Sharifi, chefe de Justiça da província do Azerbaidjão leste, declarou que "qualquer coisa é possível".

Sharifi também destacou que ainda há algumas "ambiguidades" nas "provas" deste caso, o que tem atrasado a decisão final.

A pena de apedrejamento contra Sakineh Mohammadi-Ashtiani tem provocado uma mobilização da comunidade internacional, razão pela qual as autoridades iranianas decidiram suspendê-la até rever o caso.

Ela foi condenada à morte por dois tribunais diferentes em 2006 pelo envolvimento no assassinato do marido. Em 2007, sua pena pelo assassinato foi reduzida, em apelação, a 10 anos de prisão, mas sua sentença a morrer apedrejada por adultério foi confirmada no mesmo ano por outra corte de apelação.

Libertação

A pena de apedrejamento de Sakineh gerou comoção internacional. A ONG Anistia Internacional organizou um abaixo-assinado pedindo a soltura da iraniana.

A primeira-dama da França, Carla Bruni, também tentou salvar a iraniana. Até o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, próximo do líder iraniano Mahmoud Ahmadinejad, teve de se pronunciar após forte pressão. Ele ofereceu abrigo a Sakineh e a sua família, o que foi negado pelo governo de Teerã.

Sob pressão internacional, o Irã chegou a transmitir, por meio de sua TV estatal, uma suposta entrevista de Sakineh, na qual ela assumia a culpa pelos crimes dos quais era acusada.

No início de dezembro, uma ONG alemã que tem servido como porta-voz da mulher e de seu advogado informaram que ela havia sido libertada, assim como o seu filho e o advogado. O governo do Irã negou.

AFP / Gospel Channel

Comentários

Related Posts

{{posts[0].title}}

{{posts[0].date}} {{posts[0].commentsNum}} {{messages_comments}}

{{posts[1].title}}

{{posts[1].date}} {{posts[1].commentsNum}} {{messages_comments}}

{{posts[2].title}}

{{posts[2].date}} {{posts[2].commentsNum}} {{messages_comments}}

{{posts[3].title}}

{{posts[3].date}} {{posts[3].commentsNum}} {{messages_comments}}

Formulário de contato