Responsive Ad Slot

Mostrando postagens com marcador política. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador política. Mostrar todas as postagens

Pastor Everaldo fez depósitos fracionados de quase R$ 885 mil

As informações são da Francini Augusto, da BandNews FM. De acordo com o Ministério Público Federal, documentos detalham que quase R$ 885 mil foram depositados de forma fracionada, em espécie, em contas de duas empresas do presidente do PSC e dois filhos dele, Filipe e Laércio Pereira. 





Os três foram presos na Operação Tris in Idem, que afastou Wilson Witzel, também do PSC, do governo do Rio de Janeiro. Ainda segundo o MPF, imóveis também foram adquiridos com dinheiro em espécie; um deles fica na Avenida Gláucio Gil, no Recreio, na zona oeste do Rio, avaliado em R$ 2 milhões. A defesa do pastor Everaldo disse que ele "sempre esteve à disposição de todas as autoridades e reitera sua confiança na Justiça". 


Gospel Channel com informações da Band News

Celular da cantora Lauriete é hackeado e usado pra pedir dinheiro

A cantora e deputada Federal Lauriete registrou ontem( sexta-feira 24), na delegacia de Polícia de Vila Velha, ocorrência e solicitou providências contra ação criminosa de hacker. 



Um dos números de uso pessoal da deputada foi hackeado por uma pessoa maliciosa, usando o conhecimento da internet e está pedindo dinheiro em nome da deputada Lauriete. Incrédula com a ação tão hedionda ela obteve a confirmação de vários amigos que comunicaram sobre a tentativa criminosa de obter recursos financeiros em seu nome. 



 Para coibir a ação criminosa do hacker, Lauriete está tomando outras providências necessárias.

Gospel Channel com Assessoria de impresnsa

Magno Malta diz a Jair Bolsonaro que não será vice em sua chapa

Senador vai concorrer à reeleição no Espírito Santo. Com negativa de Malta, aproximação entre Bolsonaro e o PR fica inviabilizada. 

 O senador Magno Malta (PR-ES) avisou ao deputado federal Jair Bolsonaro (RJ), pré-candidato do PSL à Presidência da República, que não topa ser candidato a vice na sua chapa. O aviso inviabiliza de vez a estratégia de Bolsonaro de fechar uma aliança com o PR para aumentar seu tempo na propaganda de TV. “Sou candidato a senador”, afirmou Malta ao jornal O Estado de S. Paulo. 

O parlamentar capixaba era visto como o vice ideal pelo grupo político de Bolsonaro por ter o perfil ligado à direita e a grupos conservadores, que são a sustentação do deputado do PSL. 

Um dos motivos que levaram Malta a não aceitar compor a chapa com o parlamentar fluminense foi o fato de sua mulher não querer disputar o Senado em seu lugar nas eleições deste ano. A cantora gospel Lauriete Rodrigues Malta (PR-ES) lançou sua pré-candidatura para deputada federal, cargo que já ocupou entre 2011 e 2014. Se entrasse na chapa, o PR poderia agregar cerca de 45 segundos ao tempo de exposição de Jair Bolsonaro na TV. Somente com o tempo do PSL, o capitão da reserva teria menos de 10 segundos. 



Com a desistência de Magno Malta, a aproximação entre Bolsonaro e o PR, que já estava ameaçada após o empresário mineiro Josué Gomes, dono da Coteminas, se filiar à legenda, ficou inviabilizada. Filho do ex-vice-presidente José Alencar, Josué é um dos nomes cotados para ser candidato ao Palácio do Planalto apoiado por uma aliança de centro. As negociações para essa coligação estão sendo comandadas pelo presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e envolvem PP, PRB e Solidariedade. 

Ele também é cotado para ser vice na chapa do PT encabeçada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado e preso na Operação Lava Jato, ou um “plano B” petista. Sem uma aliança com o PR, Bolsonaro passou a procurar um vice no PSL e em outros partidos de menor expressão. Uma das alternativas para a vaga é o general do Exército Augusto Heleno (PRP-DF), que comandou as tropas brasileiras no Haiti. 

 O deputado também já avaliou o nome da advogada paulista Janaina Paschoal (PSL), uma das autoras do pedido do pedido de impeachment da presidente cassada Dilma Rousseff (PT). A advogada, contudo, rejeitou a proposta.

Gospel Channel | Estadão

Magno Malta convida André Valadão para concorrer ao Senado

Expoente da música gospel, o cantor, pastor e empresário André Valadão tem sido assediado por lideranças evangélicas para disputar uma vaga no Senado por Minas Gerais nas eleições de outubro. Indicado duas vezes ao Grammy Latino, na categoria melhor álbum cristão em língua portuguesa, e com mais de 4 milhões de CDs vendidos, segundo sua página na internet, ele mora desde junho em Orlando, nos Estados Unidos, onde a Igreja Batista da Lagoinha, da qual faz parte, tem uma filial. Um dos entusiastas da candidatura de Valadão é o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.



Ele diz que o interesse se deve mais à militância do cantor na defesa de bandeiras evangélicas do que simplesmente por causa de sua popularidade. — Eu não vou emprestar meu nome para cantor ou cantora do mundo evangélico. A pessoa tem que se posicionar. Ele se posiciona, usa as redes sociais, apanha de vez em quando. Senão vai ser mais um lá (no Senado). Ele é um garoto inteligente, vai dar trabalho — disse Malafaia.

Em suas redes sociais, Valadão já fez postagens atacando veículos de comunicação, por reportagens sobre crianças transgêneras, e algumas marcas de produtos, por propagandas que contrariam valores evangélicos e seu conceito de família. "Basta! Não à ideologia de gênero! Criança nasce menino ou menina!", escreveu ele em outubro.

Quem fez o convite para a estrela gospel entrar no mundo da política eleitoral foi o senador Magno Malta (PR-ES), presidente da Frente Parlamentar Mista em Defesa da Família e Apoio à Vida. No cálculo, além do sucesso de Valadão, entraram as dificuldades do PSDB de Minas, devido às acusações contra o senador Aécio Neves no âmbito da Lava-Jato. O PT do estado também está às voltas com escândalos de corrupção envolvendo o governador Fernando Pimentel.

Você olha para Minas Gerais e fica tentando imaginar quem não está envolvido na Lava-Jato, quem não está envolvido na corrupção, quem não está com a fralda cheia. Tem muitos outros homens públicos, até de confissão católica e evangélica, que não estão, mas não têm a mesma pluralidade, a mesma largueza e o mesmo trânsito com a população como ele tem. Ele tem credibilidade, respeitabilidade. O Ministério da Lagoinha é respeitado, o pai é respeitado, é um menino querido por todos. Ele faz coro com todas essas bandeiras de vida que nós defendemos — disse Magno Malta.
Em 2014, Valadão apoiou a candidatura de Aécio para o Palácio do Planalto. Ele apareceu em um vídeo, ao lado de estrelas como Zezé Di Camargo e Fagner, cantando um jingle da campanha do tucano.

Magno Malta disse que ainda não obteve resposta de Valadão:

— A princípio ele ficou assustado. Falou: “Rapaz, está maluco? Por que eu? Eu não. Tem outras pessoas mais preparadas”. Depois disse: “Vou orar, vou falar com meu pai”. Ele não me deu nenhuma resposta. A política no Brasil está criminalizada. Há um espaço aberto para quem tem dignidade, mas a pessoa também, diante de um quadro desse, tem seus medos, e isso é normal.

Vice-presidente da Frente Parlamentar Evangélica e frequentador da Igreja Batista da Lagoinha, o deputado Lincoln Portela (PRB-MG) afirmou que os evangélicos já definiram quem serão seus candidatos na disputa pelas duas vagas para o Senado em Minas, e entre eles não está Valadão. Segundo Portela, os nomes serão o jornalista Carlos Viana e o promotor de justiça aposentado Joaquim Miranda.

GAROTO PROPAGANDA

Valadão tem 39 anos e é filho do pastor Márcio Valadão, também da Igreja Batista da Lagoinha. Antes de ir para os EUA, André Valadão dirigia, todas as terças-feiras, o culto “Fé”, em Belo Horizonte. Sua página oficial na internet diz que ele é formado em três seminários, todos nos Estados Unidos: Christ For The Nations, Rhema Bible Training Center e Domata Missions.

A Igreja Batista da Lagoinha possui uma TV, a Rede Super de Televisão, e uma rádio com o mesmo nome. Outro instrumento de divulgação e atração de fiéis para a congregação é o Ministério de Louvor Diante do Trono, um grupo de música gospel criado em 1998 e liderado por Ana Paula Valadão, irmã de André.

Além de pastor e cantor gospel, Valadão ainda tem uma marca chamada “Fé”, que vende roupas e acessórios. Ele também faz propaganda, em suas redes sociais, de produtos e serviços que vão de plano de saúde a alimento fitness.

Procurado, Valadão não quis falar. Sua assessoria afirmou que ele está “desenvolvendo” uma nova Lagoinha em Orlando e, no momento, está focado somente nisto. Também procurado, seu pai, o pastor Márcio Valadão, não respondeu.

Gospel Channel com informações de O Globo

Após gravação de Temer, relator suspende Reforma Trabalhista

Senador do PSDB, Ricardo Ferraço defende que prioridade do Congresso Nacional é dar uma solução para a crise institucional

O discurso de aliados do presidente Michel Temer, de que as revelações da delação premiada do empresário Joesley Batista não vão comprometer o andamento das reformas econômicas, começou a ruir. No final da manhã desta quinta-feira, o relator da Reforma Trabalhista no Senado, Ricardo Ferraço (PSDB-ES), anunciou, em nota à imprensa, a suspensão da tramitação do projeto no Congresso até a conclusão da crise institucional. 

 “A crise institucional que estamos enfrentando é devastadora e precisamos priorizar a sua solução, para depois darmos desdobramento ao debate relacionado à reforma trabalhista”, afirmou o parlamentar. Ferraço acrescentou que “não há como desconhecer um tema complexo como o trazido pela crise institucional. Todo o resto agora é secundário.” 

 Projeto com fortes resistências de sindicatos e movimentos sociais, a reforma consiste em um conjunto de medidas de alteração da legislação trabalhista, centrado no privilégio das negociações entre patrões e empregados, que passariam a ter valor de lei. Ao lado da Reforma da Previdência, é uma das propostas-símbolo do governo do presidente Temer.

Gospel Channel com informações da VEJA

'Não renunciarei', afirma Temer

Presidente afirmou que não teme delação. Segundo 'O Globo', empresário entregou à PGR gravação de conversa com Temer sobre a compra do silêncio de Eduardo Cunha. 

O presidente Michel Temer afirmou na tarde desta quinta-feira (18) no Palácio do Planalto que não teme delação e que não renunciará. Ele fez um pronunciamento motivado pela delação premiada dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos da JBS. As delações já foram homologadas pelo Supremo Tribunal Federal. Nesta quinta, o ministro Edson Fachin, relator da Operação Lava Jato no STF, autorizou a abertura de inquérito para investigar o presidente. 

"No Supremo, mostrarei que não tenho nenhum envolvimento com esses fatos. Não renunciarei. Repito: não renunciarei. Sei o que fiz e sei a correção dos meus atos. Exijo investigação plena e muito rápida para os esclarecimentos ao povo brasileiro. Essa situação de dubiedade e de dúvida não pode persistir por muito tempo", declarou. Reportagem publicada no site do jornal "O Globo" nesta quarta (17) informou que Joesley Batista entregou à Procuradoria Geral da República (PGR) gravação de conversa na qual ele e Temer falaram sobre a compra do silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), preso na Operação Lava Jato. 

"Não temo nenhuma delação, nada tenho a esconder", disse Temer. "Nunca autorizei que se utilizasse meu nome", declarou o presidente. Houve, realmente, o relato de um empresário que, por ter relações com um ex-deputado, auxiliava a família do ex-parlamentar. Não solicitei que isso acontecesse. E somente tive conhecimento desse fato nessa conversa pedida pelo empresário", disse. 

Ele afirmou que nunca autorizou que se pagasse a alguém para ficar calado. "Em nenhum momento autorizei que pagasse a quem quer que seja para ficar calado. Não comprei o silêncio de ninguém", declarou. Temer disse que pediu oficialmente ao Supremo acesso ao conteúdo das delações, mas não conseguiu. "Meu governo viveu nesta semana seu melhor e seu pior momento", disse Temer, em referência a indicadores de inflação, emprego e desempenho da economia e à revelação da delação dos donos da JBS. 

"Todo o esforço para tirar o país da recessão pode se tornar inútil", afirmou. Segundo o presidente, "a revelação de conversas gravadas clandestinamente trouxe fantasmas de crise politica de proporção ainda não dimensionada". 

Íntegra do pronunciamento

Leia abaixo a íntegra do pronunciamento de Michel Temer: 

Olha, ao cumprimentá-los, eu quero fazer uma declaração à imprensa brasileira e uma declaração ao País. E, desde logo, ressalto que só falo agora - os fatos se deram ontem - porque eu tentei conhecer, primeiramente, o conteúdo de gravações que me citam. Solicitei, aliás, oficialmente, ao Supremo Tribunal Federal, acesso a esses documentos. Mas até o presente momento não o consegui. 

Quero deixar muito claro, dizendo que o meu governo viveu, nesta semana, seu melhor e seu pior momento. Os indicadores de queda da inflação, os números de retorno ao crescimento da economia e os dados de geração de empregos, criaram esperança de dias melhores. O otimismo retornava e as reformas avançavam, no Congresso Nacional. Ontem, contudo, a revelação de conversa gravada clandestinamente trouxe volta o fantasma de crise política de proporção ainda não dimensionada. Portanto, todo um imenso esforço de retirar o País de sua maior recessão pode se tornar inútil. E nós não podemos jogar no lixo da história tanto trabalho feito em prol do País. Houve, realmente, o relato de um empresário que, por ter relações com um ex-deputado, auxiliava a família do ex-parlamentar. Não solicitei que isso acontecesse. 



E somente tive conhecimento desse fato nessa conversa pedida pelo empresário. Repito e ressalto: em nenhum momento autorizei que pagassem a quem quer que seja para ficar calado. Não comprei o silêncio de ninguém. Por uma razão singelíssima: exata e precisamente porque não temo nenhuma delação, não preciso de cargo público nem de foro especial. Nada tenho a esconder, sempre honrei meu nome, na universidade, na vida pública, na vida profissional, nos meus escritos, nos meus trabalhos. E nunca autorizei, por isso mesmo, que utilizassem o meu nome indevidamente. E por isso quero registrar enfaticamente: a investigação pedida pelo Supremo Tribunal Federal será território, onde surgirão todas as explicações. E no Supremo, demonstrarei não ter nenhum envolvimento com esses fatos. 

Não renunciarei, repito, não renunciarei! Sei o que fiz e sei da correção dos meus atos. Exijo investigação plena e muito rápida, para os esclarecimentos ao povo brasileiro. Esta situação de dubiedade ou de dúvida não pode persistir por muito tempo. Se foram rápidas nas gravações clandestinas, não podem tardar nas investigações e na solução respeitantemente a estas investigações. Tanto esforço e dificuldades superadas, meu único compromisso, meus senhores e minhas senhoras, é com o Brasil. E é só este compromisso que me guiará. Muito obrigado. Muito boa tarde a todos.

Gospel Channel

Assembleia de Deus articula criação de partido pró-'família tradicional'

O termo "cristão" e variações aparecem no nome de seis dos 56 partidos na fila do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para virar a 36º legenda brasileira. Tem o PEC (Partido Ecológico Cristão), o PPC (Partido Progressista Cristão)...



O PRC (Partido Republicano Cristão) leva vantagem sobre os concorrentes: está sendo articulado com ajuda da Assembleia de Deus, a maior igreja evangélica do Brasil (30% dos 42 milhões de fiéis no Censo 2010, sendo que o total de evangélicos já saltou para três em dez brasileiros).

Essa gigantesca rede de fé deve facilitar a coleta de assinaturas mínimas, recolhidas em ao menos nove Estados, que o TSE exige para formar um novo partido –486 mil, ou 0,5% dos votos válidos na última eleição para a Câmara.

Já foram 300 mil registradas em cartórios país afora, calcula o presidente do PRC, deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), coordenador da bancada de 24 deputados ligados à Assembleia de Deus.
Fonseca assinou relatório pró-Eduardo Cunha (PMDB-RJ) em 2016, quando o agora ex-parlamentar presidia a Câmara e tentava anular sua cassação na Casa. Os dois são assembleianos.

Fundada por missionários suecos em 1911, a Assembleia de Deus (AD) se multiplicou em várias ramificações, e elas não necessariamente dialogam entre si. Não raramente, estão em lados avessos da política (algumas ficaram com a petista Dilma Rousseff, outras com o tucano José Serra, e parte com a então verde Marina Silva em 2010, por exemplo).

A AD Ministério do Belém (que, apesar do nome, tem sede paulista) controla a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil. É essa ala que fomenta a criação do PRC. O secretário-geral do partido será o deputado Paulo Freire (PR-SP), filho do pastor José Wellington Bezerra da Costa, líder da AD Belém.

Suas irmãs também estão no Legislativo: Marta Costa é deputada estadual em São Paulo e Rute Costa, vereadora paulistana. "Como instituição, oficialmente, igreja não tem partido, a lei não permite. Mas ela pode ter representatividade. Isso está sendo trabalhado [por meio do PRC]", diz à Folha o coordenador político da convenção das ADs, pastor Lélis Marinhos.

A principal bandeira da nova sigla será a família, diz. "Aquela chamada tradicional, com o princípio básico bíblico da família hétero." Segundo Marinhos, há fóruns dedicados a preparar lideranças para o quadro partidário.

Pesquisador da Fundação Getúlio Vargas, Diogo Rais lembra do abuso de poder religioso nas eleições, como um candidato pedir voto em igrejas –em 2016, o prefeito reeleito de Penápolis (SP) foi alvo de ação, depois desconsiderada por um juiz. Motivo: um pastor o exaltou em culto e chegou a dizer que o acessava com facilidade ("quando preciso falar com ele, tenho o WhatsApp dele").

Mas seria preconceito achar que pessoas de fé não têm vez na política, diz Rais. "Por que ter legendas que representem trabalhadores ou ambientalistas, mas não religiosos?"

O pastor Silas Malafaia lidera uma AD, a carioca Vitória em Cristo –e é contra igreja ter vida partidária.

"A hora em que ela quer se meter em fazer partido político, perde sua essência. Aí, minha filha, a gente vai se perder", diz o pastor, que contudo apoia o apadrinhamento de candidatos. Seu próprio irmão, Samuel Malafaia, é deputado estadual no Rio. O religioso também manifesta simpatia pelo prefeito João Doria, do PSDB-SP.

O deputado Fonseca estima que o PRC já saia com uma bancada de pelo menos 20 deputados, que em março de 2018 poderão se aproveitar de uma janela da Justiça que autoriza o troca-troca partidário sem sanções eleitorais.

A ideia é protocolar o pedido de criação do partido no TSE até o fim do ano e investir em cargos legislativos em 2018. Fonseca quer que o número da sigla seja 80. "Ou oito ou 80, né?"

Gospel Channel
Com informações da Folha

Jornalista que acusa Feliciano é mitomaníaca, diz laudo

O laudo emitido por uma psicóloga aponta que a estudante de jornalismo Patrícia Lelis, de 22 anos, é mitomaníaca, ou seja, tem um transtorno de personalidade que a faz mentir compulsivamente, revela a Polícia Civil de São Paulo nesta sexta-feira (19).



Investigadores disseram que vão pedir a prisão preventiva da estudante, informa o 'G1'. "Recebi documentos com laudo psicológico que diagnosticou a moça como 'mitomaníaca'. Possui mitomania", disse ao G1 o delegado Luiz Roberto Hellmeister, titular do 3º Distrito Policial (DP), na Santa Ifigênia, região central da capital paulista. "Ela é mentirosa compulsiva." Patrícia foi indiciada por calúnia e extorsão pela polícia nesta quinta-feira (18). 

A estudante acusou Talma Bauer, assessor do deputado federal Pastor Marco Feliciano (PSC-SP) de sequestro e cárcere privado num hotel na capital paulista, entre julho e agosto, além de ter acusado o deputado de tentativa de estupro no apartamento dele, em Brasília, em junho.

Gospel Channel

Ela mentiu: Estudante de jornalismo que acusou Marco Feliciano será indiciada

Delegado afirma que jornalista mentiu em diversos depoimentos e extorquiu R$ 20 mil do deputado. Ela será indiciada pela Polícia Civil pelos crimes de extorsão e denúncia caluniosa. 



 O delegado Luiz Roberto Hellmeister, da delegacia de Santa Efigênia, na capital paulista, afirmou que Talma Bauer, chefe de gabinete do deputado federal Marco Feliciano, do PSC, admitiu em depoimento que pagou R$ 20 mil a um amigo da estudante de jornalismo Patrícia Lelis para que, em troca, ela para de acusar o parlamentar por tentativa de estupro. O delegado, no entanto, está convencido de que o dinheiro foi pago porque Patrícia extorquiu o assessor de Feliciano. Para Luiz Roberto Hellmeister, Patrícia mentiu várias vezes ao longo das investigações para incriminar Feliciano e os assessores dele. 

 “Ela ameaça divulgar uma notícia bombástica, ainda piorando porque ele é pastor, não é só deputado, e que pode ter um dano incalculável na vida dele. Ela está condicionando contar um fato real ou mentiroso para ter uma vantagem”, afirmou o delegado Hellmeister. Uma das mentiras, segundo o delegado, é de que ela teria sido sequestrada e mantida sob cárcere para gravar o vídeo em que desmente as acusações que tinha feito contra o deputado anteriormente. Imagens de câmeras de segurança do dia em que teria ocorrido o suposto sequestro mostram Patrícia em um hotel na cidade de São Paulo junto com Bauer. Os dois aparecem descontraídos e, inclusive, se abraçam. De acordo com o delegado, a jornalista hospedou a mãe e um amigo no mesmo hotel, o que descaracteriza a versão de que ela foi coagida a recuar das acusações. 

 Por causa disso, o delegado afirmou que vai indiciar Patrícia pelos crimes de extorsão e denunciação caluniosa, penas que somadas podem variar de seis a 20 anos de prisão. A estudante de jornalismo, que também é militante do PSC, diz que Feliciano tentou estuprá-la e ainda a agrediu dentro do apartamento funcional dele em Brasília, no dia 15 de junho. A denúncia de estupro é investigada pela Delegacia da Mulher de Brasília. A Polícia de São Paulo apura somente o suposto sequestro e cárcere de Patrícia.

Gospel Channel - Com informações da CBN

Faixa em igreja pede que candidatos não visitem templo durante campanha

Pastor afirma que em três anos nenhum político esteve no local, por isso, em época de eleição visitas não são bem-vindas. 

Os partidos políticos ainda estão definindo seus candidatos a prefeitos e vereadores –em Novo Hamburgo até 4 de agosto acontecem as convenções–, mas a partir de 16 de agosto a campanha eleitoral está liberada. A partir daí, até o dia da eleição, em 2 de outubro, começa uma verdadeira guerra por votos. Nesse período se intensifica o chamado "corpo a corpo", momento em que os candidatos vão às ruas pedir votos. Entre as ações estão visitas a entidades, associações e também igrejas.



É foi com a intensão de advertir os candidatos a não pedirem votos na Igreja Batista Nacional Avivar de Novo Hamburgo, que o pastor Juliano Souto colocou uma faixa, no mínimo, inusitada em frente ao tempo, que fica no bairro Rondônia."Senhores candidatos a vereadores e a prefeito, estamos há três anos nesta comunidade e nunca tivemos o privilégio de suas visitas. Queremos continuar assim até outubro deste ano. Após este período, serão bem-vindos!"

A nossa igreja tem consciência que deve influenciar em todas as áreas e nesta eleição queremos levantar a bandeira contra a hipocrisia e blindarmos nossa comunidade de maus elementos que abusam do poder público para se locupletar", afirmou o pastor, completando: "Depois das eleições a igreja estará de braços abertos a nossa liderança municipal, pois temos que honrar as autoridades constituídas."

Gospel Channel Brasil

Pastor Samuel Ferreira, investigado na Lava Jato ganha passaporte diplomático

Gospel Channel Brasil - As coisas não estão nada bem para o pastor Samuel Ferreira e sua esposa Keila Ferreira, líderes da Assembleia de Deus ministério de Madureira. Suspeito de lavar dinheiro da propina para Eduardo Cunha por meio de sua igreja, Samuel Ferreira é o primeiro investigado na operação a ganhar benefício.



Há menos de uma semana no cargo, o novo ministro das Relações Exteriores José Serra (PSDB) concedeu mesta quarta-feira, 18, passaporte diplomático ao pastor Samuel Ferreira, da Assembleia de Deus, e que está sob investigação na Lava Jato suspeito de lavar dinheiro da propina para Eduardo Cunha (PMDB) por meio de sua igreja, em Campinas. O benefício também foi concedido à mulher do pastor e também pastora, Keila Ferreira. Com isso, é a primeira vez, desde o começo da operação, que um investigado sem prerrogativa de foro recebe o benefício dado a autoridades. Na prática, o passaporte diplomático permite a Samuel e Keila entrarem e saírem alguns paises com relação diplomática com o Brasil sem a necessidade de visto ou qualquer outra burocracia. 

O passaporte, contudo, não dá imunidade diplomática aos pastores. Na semana passada, o Supremo determinou a remessa das investigações envolvendo Samuel Cássio para o juiz Sérgio Moro, responsável pela operação em Curitiba. O Itamaraty informou que o ministério se baseou no terceiro parágrafo do artigo sexto do decreto que regulamenta a concessão dos passaportes diplomáticos. O dispositivo prevê a concessão do documento a pessoas que, embora não estejam relacionadas na lista de quem pode ter o passaporte, “devam portá-lo em função do interesse do país.” 

 O decreto 5.978, de 2006, não prevê a concessão desse tipo de passaporte a líderes religiosos. Entre as pessoas que podem recebê-lo, estão o presidente e o vice-presidente da República, ex-presidentes, governadores, ministros, ocupantes de cargo de natureza especial, militares em missões da ONU, ministros do STF, o procurador-geral da República e juízes brasileiros em tribunais internacionais, dentre outros. Conforme o próprio Itamaraty, o passaporte diplomático concedido gratuitamente identifica a pessoa que está com ele como “agente do governo”. 

Segundo o ministério, portar esse tipo de documento não concede à pessoa “imunidade diplomática”, mas dá privilégios como atendimento preferencial nos postos de imigração e isenção de visto em alguns países. 

 A igreja de Samuel Ferreira, em Campinas, recebeu R$ 250 mil do lobista e delator da Lava Jato Julio Camargo, que admitiu que o pagamento era parte da propina de US$ 5 milhões a Cunha referente a contratos de navios-sonda da Petrobrás. Atualmente Cunha é réu no STF justamente no episódio envolvendo esta propina. O parlamentar afastado nega irregularidades. A defesa de Samuel Cássio Ferreira considera o inquérito contra ele “desnecessário”. 

Pastores

Não é a primeira vez que o governo federal concede o benefício a líderes religiosos. Em 2013, durante o governo Dilma Rousseff, o líder da Igreja Mundial do Poder de Deus, Valdemiro Santiago de Oliveira, e a mulher dele, Franciléia de Castro Gomes de Oliveira também receberam o benefício. Outros líderes de igrejas também já receberam o documento, que dá direito ao uso de uma fila especial nos aeroportos, mas não dá imunidade diplomática. Segundo o Itamaraty, a política de conceder os passaportes a líderes evangélicos busca dar igualdade de tratamento às diferentes religiões, já que líderes católicos recebem o documento também. A gestão de Serra, contudo, já informou que pretende reavaliar as políticas de concessão de passaportes diplomáticos. 

 O sistema de concessão de passaportes diplomáticos foi alterado em 2011, depois de revelado que os filhos e netos do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tinham o documento mesmo depois da sua saída do governo e de não serem menores de idade, como determinava o decreto sobre o tema. Na época, a legislação dava ao ministro o poder de decidir quem poderia receber o passaporte em casos considerados de interesse nacional, e o então ministro das Relações Exteriores Celso Amorim, concedeu o documento aos filhos de Lula pouco antes do final de seu governo, em 2010.

Gospel Channel Brasil
MATEUS COUTINHO, JULIA AFFONSO E FAUSTO MACEDO - Estadão

Em resposta a Lula, Silas Malafaia diz: "O mensalão não foi o diabo não, foi o PT"

O pastor Silas Malafaia, líder da igreja pentecostal Assembleia de Deus Vitória em Cristo, respondeu nesta sexta-feira (22) a um comentário do ex-presidente Lula  que ironizava oradores evangélicos.



Em vídeo divulgado na internet, Malafaia comentou os escândalos do mensalão e da Petrobras, disse que Lula "não entende nada de igreja evangélica", acusou o PT de cometer estelionato eleitoral e criticou a política econômica do governo federal.

"Lula, que tal você falar toda a verdade e deixar de enganar o povo brasileiro, que você sempre soube dessa roubalheira e dessa cachorrada e dessa safadeza do seu partido, que você sempre foi o mandão", disse. "Não se parece com o diabo não, a mentira é do diabo", acrescentou.

"Você está desempregado? É o diabo. Você está doente? É o diabo. Roubaram o seu carro? É o diabo", enumerou, entre risos de uma plateia de trabalhadores e sindicalistas.

"Evidente que Lula não entende nada de igreja evangélica nem de pastor", diz Malafaia, acrescentando que não tira das pessoas a responsabilidade pelas suas ações.

"Por exemplo, o mensalão não foi o diabo não, foi o PT. A roubalheira escandalosa da Petrobras não é o diabo não, é o teu partido, é o PT", diz o líder pentecostal.

O vídeo foi divulgado por Malafaia no Twitter, onde tem 899 mil seguidores.




Gospel Channel Brasil

Pai de Santo vai ao Palácio do Planalto e diz para Dilma se proteger de Cunha


Depois do deputado Cabo Daciolo, hoje foi a vez de um pai de santo dirigir-se à portaria do Palácio do Planalto e pedir para falar com Dilma. Dizia ter uma carta para entregar.

Sabe-se lá por quê, o pai de santo foi encaminhado à Secretaria de Relações Institucionais. Foi recebido por uma secretária. Explicou o pai de santo, apontando para a Praça dos Três Poderes:
- Dilma tem que se proteger. Vim aqui falar isso com ela. Todo mundo aqui faz batuque.
Diante da surpresa da secretária, o pai de santo completou:
- A Dilma tem que se proteger do Eduardo Cunha.
Preocupada, a secretária interrompeu a conversa e, discretamente, telefonou para a segurança. Oito homens subiram até o quarto andar, onde fica a SRI, a Casa Civil e a Secretaria-Geral. Gentilmente, o pai de santo foi convidado a se retirar.
A secretária fez um apelo aos seguranças, indagando por que o pai de santo foi autorizado a subir. Eles tentaram tranquilizá-la, dizendo que já havia um alerta contra ele no terceiro piso, andar onde fica o gabinete de Dilma.
Ou seja: nenhum alerta no quarto andar. Te cuida, Mercadante.

Gospel Channel - Lauro Jardim VEJA

Agora é pra valer: Marina chega com Aécio para primeiro evento juntos


Gospel Channel Brasil - Aécio Neves e Marina Silva chegaram ao centro de eventos em São Paulo onde apareceram pela primeira vez lado a lado em campanha para a eleição do tucano. 

O novo visual de Marina Silva chamou atenção, e foi bastante elogiado pela maioria das pessoas. A mudança começou mesmo!!


A candidata terceiro lugar no primeiro turno das eleições, Marina Silva (PSB), apareceu ao lado de Aécio Neves (PSDB) pela primeira vez após anunciar apoio à candidatura tucana. Os dois tiveram uma conversa em São Paulo e devem atender à imprensa para uma entrevista coletiva. 

Marina foi à reunião sem o tradicional coque no cabelo, que marcou o visual da candidata durante a campanha. 



"Estive gripada esses dias e vocês sabem que uma pessoa gripada não pode prender o cabelo molhado, e por isso fiz assim", disse Marina. "Está muito bonita", sentenciou Aécio.

Gospel Channel em SP
Glauco Araújo do G1

Igreja Universal está proibida pela justiça de fazer campanha para Crivella

A Justiça Eleitoral determinou que a Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) não promova cultos em que haja pedido de votos para o candidato do PRB ao governo do Estado, Marcelo Crivella. 



A decisão da juíza Daniela Assumpção também proíbe as emissoras de TV Record e CNT de veicular propaganda subliminar em cultos da igreja, que, segundo o Tribunal Regional Eleitoral (TRE), fazem parte da sua programação regular. 

 A medida é reflexo de um pedido urgente para tomada de providências feito pela candidatura do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), que disputa a reeleição. Ele vinha alegando estar sendo prejudicado, pois templos da IURD teriam sido flagrados fazendo campanha para Crivella desde o primeiro turno da disputa. O concorrente é bispo licenciado da Universal. A multa diária caso haja descumprimento da determinação judicial é de R$ 500 mil. 

O pedido de votos em templos religiosos são proibidos pela Lei Eleitoral. Na ação movida pelos advogados de Pezão, foram anexadas cópias de vídeos em que pastores da IURD pedem votos durante cultos transmitidos pelas emissoras. Segundo os argumentos da magistrada, os cultos aconteceram "em grandes templos e com enorme concentração de público, constatando-se que todos os fiéis responderam em coro o nome do candidato". De acordo com o TRE-RJ, a igreja, as emissoras e o candidato “podem responder por abuso de poder econômico, uso indevido dos meios de comunicação e propaganda irregular em bem de uso comum, no caso, os templos religiosos”. 

 Desde o início do segundo turno, a ligação de Crivella com a Universal, fundada pelo bispo Edir Macedo, que é seu tio, tem vindo à tona diariamente na corrida ao Palácio Guanabara. Numa postura incisiva, o candidato Pezão chamou a igreja de Macedo de “organização” que teria um projeto de poder político. Em debate na Rádio CBN, na terça-feira, ele chegou a dizer que Crivella é testa de ferro de Edir Macedo. 

O concorrente do PRB respondeu à acusação dizendo que, se eleito, o bispo não terá qualquer influência sobre seu mandato. Nos bastidores da campanha de Pezão, o temor é que a força do voto evangélico e o apoio do deputado Anthony Garotinho (PR) – segundo colocado na disputa e que também agrega voto dos evangélicos - fortaleçam a campanha de Crivella. Soma-se a isso o apoio dado ao concorrente do PRB pelo senador petista Lindberg Farias, quarto colocado na disputa ao governo do Rio.

Gospel Channel - Juliana Prado / TERRA

Imprensa secular está "pasma" com a força dos "conservadores" nessas eleições

Provocador Gospel - É incrível como os maiores portais dessa nação estão com medo dos conservadores. O Globo, Terra, IG, Estadão deram essa informação defendendo o liberalismo. Se ser conservador é ser a favor da família tradicional, contra o aborto, contra o uso de drogas então eu sou conservador. 



Esse mundo está cada vez pior. Tudo que era errado agora é certo. Já disse uma vez e vou repetir, daqui a pouco vai aparecer um louco dizendo e defendendo que ser pedófilo é opção sexual!!! Não duvidem disso, do jeito que a coisa está pode se esperar de tudo.

A bancada evangélica vai crescer 14% a partir de 2015, com 80 deputados FEDERAIS eleitos. E claro, a imprensa secular tratou de dar a notícia "Causas LGBTs serão prejudicadas pela bancada evangélica". Só pensam nos gays?? E o resto que não é gay? Com a bancada evangélica fortalecida TODOS que são a favor dos bons costumes serão beneficiados inclusive os homossexuais. Mas a causas LGBTs que eles se referem são leis absurdas que querem colocar uma mordaça em todos que digam que não concordam com o casamento de pessoas do mesmo sexo. 

É uma briga desigual, afinal a imprensa cristã não é forte como os maiores meios de comunicação desse país. Mas tudo bem, que fique aqui registrado que não estamos totalmente fora dessa discussão, e sim atentos ao que dizem eles - a imprensa secular - sobre nós "conservadores".

Provocador Gospel

Cândido Vaccarezza, candidato apoiado pelo pastor Samuel Ferreira não consegue reeleição

Provocador Gospel - É, a coisa não está nada boa para Cândido Vaccarezza, mesmo com o apoio extraordinário do pastor Samuel Ferreira, líder do ministério de madureira no estado de São Paulo, ele não conseguiu se reeleger como deputado federal.



Vaccarezza recebeu 50.535 votos, e com isso ficou de fora. Além de ter sido jogado de lado da liderança do PT por Dilma Rousseff, também foi citado na delação premiada de Paulo Roberto Costa como um dos envolvidos no recente escândalo dessa nação, o "petrolão". 

Em todo o estado de São Paulo, pastores líderes da igreja Assembleia de Deus de madureira andavam com um mega banner de Vaccarezza em seus carros. Ordem da chefia? Vai saber...

Provocador Gospel
Gospel Channel

Denúncia de Fraude nas Eleições 2014 movimentam redes sociais



Gospel Channel Brasil - Os cidadãos brasileiros estão inconformados com as denúncias feitas por milhares de eleitores por todo o Brasil. Há casos de que a urna computava o voto de Dilma automaticamente, outros que ao digitar 45, a tela comunicava ERRO e uns afirmam que quando foram votar, "alguém" já havia votado em seu lugar. 



G1: Robert Hugo, de 30 anos, ficou sabendo da situação quando estava próximo do momento de votar. "Estava em terceiro quando uma moça falou que na hora que chegava a opção para votar no presidente confirmava direto. Aí eles chamaram a PM, suspenderam a votação e voltou agora há pouco novamente", disse.

G1: Eleitora diz que não conseguiu votar porque voto já tinha sido registrado.

Gaúcha: Eleitor é impedido de votar ao descobrir que outro votou em seu lugar
   

Gospel Channel

Marina sinaliza apoio a Aécio no segundo turno

Em seus discursos pós-votação neste domingo, os candidatos Aécio Neves (PSDB) e Marina Silva fizeram um primeiro gesto na direção um do outro. Aécio disse que todos que puderem contribuir com seu projeto "serão muito bem-vindos". "Tenho enorme respeito pessoal pela ex-ministra e senadora Marina Silva", afirmou o presidenciável, que terminou o primeiro turno com 33% dos votos. Já Marina, em evento na capital paulista na noite deste domingo, lançou mão do 'marinês' para sinalizar que um apoio é possível, mas apenas se houver "coerência" com seu programa de governo. "Nossos partidos vão tomar uma decisão. 



Mas temos de ser coerentes com o sentimento de uma mudança qualificada. A sociedade brasileira está dizendo que não quer o que está ai", afirmou a ex-senadora, sugerindo que seu apoio terá um preço. "Vamos nos manter fiéis ao nosso programa", afirmou a senadora. Marina ficou de fora da disputa presidencial após receber 21% dos votos neste domingo. 

Durante o discurso de encerramento do primeiro turno, voltou a se posicionar como líder da Rede Sustentabilidade, partido que não conseguiu cumprir todas as formalidades de criação a tempo de disputar as eleições deste ano. "Eu faço parte de um partido, ainda que seja um partido clandestino", disse Marina. Só depois ela mencionou a coligação, encabeçada pelo PSB, que lhe deu apoio na corrida presidencial: "Temos uma aliança com vários partidos e o que decidimos é que queremos tomar uma decisão conjunta. Que terá como base o nosso programa." Emissários tucanos já se movimentam para abordar lideranças da Rede e do PSB. 

O economista Eduardo Giannetti, um dos principais conselheiros de Marina, já declarou apoio a Aécio. Outro "marineiro" que pode ajudar a costurar um entendimento com o PSDB é o deputado federal Walter Feldman, ex-tucano. No PSB, a viúva de Eduardo Campos, Renata Campos, pode dar testemunho da amizade entre seu marido e Aécio, e abrir um palanque para o PSDB em Pernambuco — onde o candidato socialista, Paulo Câmara, venceu com 68% dos votos, e a própria Marina obteve a marca expressiva de 48%. Beto Albuquerque, vice na chapa de Marina, e Márcio França, vice de Geraldo Alckmin, governador reeleito de São Paulo, são outros socialistas que devem advogar por uma aliança com o candidato tucano. 

 "Nossos eleitores não foram eleitores de voto útil, mas foram eleitores de um programa de governo. Nós vamos manter isso", disse Albuquerque ao site de VEJA. "Meu partido vai se reunir e nós vamos discutir isso para saber para onde vamos, mas, pessoalmente falando, eu teria muita dificuldadeem votar numa candidatura que desferiu todo tipo de golpe contra nós, que é a candidatura da Dilma." Presidente interino do PSB (e amigo de longa data do ex-presidente Lula), o pernambucano Roberto Amaral preferiu não se manifestar sobre os rumos do partido no segundo turno, mas deixou claro que as discussões começam imediatamente. 

"As pressões podem vir, mas quem vai decidir pelo PSB é o PSB, a partir de uma consulta que eu começo amanhã", disse.

Gospel Channel com informações da VEJA

Não foi o pastor e nem a Marina (evangélica).. mas os gays piram com uma dessas!

Provocador Gospel - Ai se tivesse sido Marina Silva ou o pastor Everaldo ter falado que aparelho excretor não reproduz, a casa teria caído pro lado dos evangélicos, mas quem disse isso foi o candidato Levy Fidelix. 



Ao ser questionado pela candidata do PSOL, Luciana Genro sobre o por que das famílias se recusarem em reconhecer como famílias a união de casais homossexuais, ele disparou essa frase que você leu acima. E claro, os gays classificam a posição dele como homofóbica - Extremamente homofóbica-, só isso que eles sabem fazer. Tudo por aqui virou homofobia. Homofóbico é quem fala que é contra casamento de pessoas do mesmo sexo. Homofóbico é pastor que não casa pessoas do mesmo sexo - aliás, pra se casar em uma igreja evangélica, que eu saiba, tem que ser membro da igreja - Homofóbico é o pai que ensina seus filhos que sexo é entre homem e mulher. Assim denúncia como homofobia alguns gays por aí. 

Homofobia é quando um gay é espancado por causa de sua decisão em ser gay. Não é aceito em algum trabalho por causa de sua opção sexual. Defender a família tradicional não é homofobia, mas temos que concordar que Fidelix respondeu pesado, mas também jogaram pesado com ele!!

Ai se tivesse sido o pastor ou a Marina!! ai ai ai...

PS: Foi impressão minha, ou a Record blindou a Dilma?

A frase: "Tenho 62 anos, pelo que eu vi na vida, dois iguais não fazem filho, e digo mais, aparelho excretor não reproduz", disse Fidelix. - "Se começarmos a estimular isso aí (o casamento gay), a população do Brasil vai cair de 200 milhões para 100 milhões. Vai andar pela Paulista pra você ver."

 Provocador Gospel - Gospel Channel
© 2008-2021 Gospel Channel Brasil
Criado por templateszoo